Índio da Costa: Escola SESC, RJ

Arquitetura caminha entre extroversão e racionalismo

Projeto arquitetônico tem como premissa favorecer, ambiental e socialmente, a permanência integral de alunos e professores no complexo educacional

A escola foi projetada para a capacidade máxima de 500 estudantes do ensino médio, com idades que variam entre 14 e 18 anos. Eles terão à disposição quase 30 mil metros quadrados de área construída, ou seja, uma média de 60 metros quadrados de facilidades por aluno.

Nesse espaço, Índio da Costa e equipe setorizaram o vasto programa, composto por áreas educacionais (salas de aulas, laboratórios, biblioteca), esportivas (ginásio, piscina semiolímpica, campo de futebol, quadras descobertas), residenciais (alojamentos para professores e alunos), culturais (teatro para 603 espectadores) e instalações de apoio.

A proposta pedagógica é inovadora no Brasil. Ela pretende preparar o jovem tanto para a entrada no mercado de trabalho quanto para o ingresso no ensino superior, com a adoção de grade curricular polivalente (acadêmica e profissionalizante) e a imersão do aluno e do professor no ambiente da escola.

Nesse contexto, a arquitetura definida por Índio da Costa trilhou o caminho híbrido do racionalismo construtivo - capaz de lidar favoravelmente com os grandes números da área construída - e da extroversão carioca, confortável à longa permanência em virtude do contato que estabelece com o ambiente externo. Trata-se de uma abordagem recorrente em sua obra, como se depreende da entrevista que o arquiteto concedeu na época em que ainda elaborava o projeto da escola. Prevalece a estética do material natural, sem revestimentos, com o uso de componentes construtivos industrializados, como a estrutura de concreto, os blocos cerâmicos de vedação e os painéis metálicos de proteção solar que recobrem, em balanço, parte das edificações. São elementos bem-vindos na construção em larga escala, e configuram ainda a linguagem racional característica do complexo educativo.

Igualmente importantes, contudo, são as zonas intermediárias, abertas porém cobertas, que entremeiam horizontal e verticalmente as edificações entre si, e também seus componentes principais, de vedação e cobertura, de modo a propiciarem o fluxo confortável e a amenização das elevadas temperaturas do clima local.

No setor das salas de aulas e laboratórios, por exemplo, construído centralmente no lote, em forma de U, esse recurso de projeto deu origem a térreos com pilotis, passarelas em balanço, varandas periféricas e vazios de toda ordem, que acabam por enfatizar o caráter modular das edificações. “As salas de aulas foram intencionalmente implantadas entre passarelas e vazios. Com isso, foi possível propiciar maior riqueza volumétrica e conforto ambiental, melhor ventilação cruzada e uma sensação de liberdade que é indispensável ao bom desempenho estudantil”, explica o arquiteto.

Raciocínio semelhante está presente também nos alojamentos de estudantes e professores, qualificados por pátios abertos e coberturas verdes. São quatro blocos em U para os estudantes - no total de 140 dormitórios coletivos - e sete blocos para os professores, que somam 56 dormitórios. Complementam o conjunto os setores esportivo e cultural, posicionados, respectivamente, nos fundos e na parte frontal do lote. Dada a volumetria diferenciada, o ginásio e o teatro protagonizam a arquitetura do conjunto. O ginásio, mais discreto por sua posição, é coberto com o auxílio de estrutura metálica que fica aparente por cima das telhas; o teatro chama a atenção pelas formas que definem o foyer, a plateia e a caixa de palco.


Índio da Costa AUDT
Luiz Eduardo Índio da Costa se formou em 1961 pela Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Constituiu escritório em 1960, época em que trabalhava ainda em construtoras e na prefeitura carioca. Em 1970 passou a se dedicar exclusivamente ao trabalho em seu estúdio



Ficha Técnica

Escola Sesc de Ensino Médio
Local Rio de Janeiro, RJ
Início do projeto 2004
Conclusão da obra 2007
Área do terreno 131.000 m2
Área construída 29.000 m2
Arquitetura Índio da Costa AUDT - Luiz Eduardo Índio da Costa (autor); Carlota Sampaio, Cláudia Amorim, Lourenço Gimenes (co-autores); André Barreto, Anna Rita Figueira, Christian Smith, Joyce Camilo, Lígia Cury, Maria Teresa Mesquita, Mariana Caillaux, Mauricio Duarte e Rodrigo Carneiro (colaboradores)
Salas de aulas e restaurante Ricardo Villar Arquitetura e Urbanismo
Teatro Ruy Rezende Arquitetura
Parque esportivo e biblioteca Forte, Gimenes e Marcondes Ferraz Arquitetos
Alojamento de alunos e professores Nit Arq
Interiores Ana Maria Índio da Costa
Paisagismo CAP
Gerenciamento Guimar
Luminotécnica Esther Stiller
Acústica Roberto Thompson Motta
Estrutura Júlio Kassoy e Mario Franco Engenheiros
Instalações prediais Cemope
Ar condicionado Integrar
Construção Camargo Corrêa, Santa Bárbara e Metropolitana
Fotos César Duarte, Mário Grisolli, Pedro Kok e Guarim de Lorena

Fornecedores

Armstrong (forros acústicos) ;
Cecrisa, Gail (revestimentos cerâmicos);
Cogumelo (deque de madeira plástica);
Giroflex (cadeiras);
Hunter Douglas (brises);
Lumini (luminárias)

Texto de Evelise Grunow| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 351
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora