Concurso Otec: Equipe mineira ganha competição

Soluções simples reduzem consumo de energia em 59%

Soluções simples reduzem consumo de energia em 59%

Projetado em 1961 pelo escritório Rino Levi Arquitetos Associados, o edifício Paulo de Tarso de Montenegro (antigo Plavinil-Elclor), situado nas imediações da avenida Paulista, em São Paulo, atualmente funciona como sede do instituto de pesquisas Ibope.

A construção foi objeto do Concurso Otec de Eficiência Energética para Edifícios Existentes - Edição Ibope 2010 e poderá ter seu consumo de energia elétrica reduzido em 59% se forem implantadas as medidas previstas pelo projeto vencedor, desenvolvido por Iraci Miranda Pereira, Ana Carolina de Oliveira Veloso, Camila Carvalho Ferreira, Marcela Alvares Maciel, Paula Rocha Leite, Flávio Henrique de Menezes Morais e Carla Patrícia Santos Soares.

De acordo com Iraci, arquiteta coordenadora da equipe, o projeto baseado em soluções simples e viáveis prevê economia de 62% durante o inverno e de 57% nos meses mais quentes, o que na média implica consumo de energia 59% menor ao ano.

O conjunto de propostas dispensa a interrupção das atividades nos escritórios ao longo de sua implantação e busca menor interferência na arquitetura, que não apresenta as fachadas originais desde meados da década passada, quando os cobogós foram eliminados.

As intervenções abrangem soluções simples e de funcionamento integrado para garantir o resultado apontado pelas simulações.

Entre os itens propostos estão a substituição dos vidros atuais por versões de melhor desempenho e brises discretos de material reflexivo associados a prateleiras de luz instaladas acima das janelas.

Brises e bandejas de luz: melhor aproveitamento da luz natural sem incidência solar direta
Brises e bandejas de luz: melhor aproveitamento da luz natural sem incidência solar direta

Esse elemento se prolonga para o interior do edifício e tem a dupla função de servir de proteção contra a incidência direta do sol e refletir a luz natural no forro, reduzindo tanto o calor interno como a necessidade de iluminação artificial.

Também está prevista a inclinação do forro dos pavimentos a fim de favorecer a reflexão nos pontos mais profundos dos ambientes.

O novo sistema integra luz natural e artificial com controle automatizado. Ele emprega equipamentos econômicos e sensores que acendem as lâmpadas somente quando a iluminação natural for inferior a 500 lux.

Outra medida importante é a substituição dos antigos aparelhos de ar condicionado de janela. Na impossibilidade de implantar um sistema central, optou-se por splits de tecnologia avançada que combinam eficiência superior e consumo 40% menor.

“Com esse conjunto de iniciativas, o edifício passará a oferecer maior bem-estar para os ocupantes, com menos ofuscamento, mais conforto visual e menor sensação de calor durante o verão e de frio nos meses de inverno”, conclui Iraci.


Publicada originalmente em PROJETODESIGN
Edição 376 Junho de 2011

Texto de | Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 376

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora