Álvaro Gianini: Cobertura tensionada para o Shopping Spazio Design

Acesso monumental em centro de compras

A cobertura tensionada foi uma proposta do arquiteto Álvaro Gianini, autor do projeto arquitetônico do Shopping Spazio Design, instalado na base de uma grande montanha de pedra, na zona sul de Juiz de Fora

A ideia era criar um acesso que despertasse a atenção dos usuários do primeiro shopping de decoração da cidade mineira de Juiz de Fora. A solução veio com a proposta de instalar no local uma cobertura tensionada, construída a partir do estudo detalhado de protótipo em escala 1:10, sendo a montagem executada em apenas cinco dias.

Com uma bela vista da cidade, o Shopping Spazio Design possui cerca de 5 mil metros quadrados de área construída. Uma de suas novidades é a sala de reuniões para arquitetos e decoradores, que atenderão projetos de interiores e construção em potencial.

Possui também dois restaurantes, um deles feito com materiais de demolição e piso de ripas provenientes da reciclagem de garrafas do tipo PET e fraldas de bebê, picados e prensados - segundo proposta do arquiteto carioca Helio Peregrino -, e um sistema de aproveitamento de água de uma mina. Com tanta inovação, a cobertura da entrada principal de mil metros quadrados do centro de compras só poderia ser concebida de forma também especial, com a tecnologia para coberturas em membrana tensionada.

A sobreposição de duas formas geométricas distintas, apoiadas em um mastro central inclinado de 28 metros, define a cobertura. A primeira forma é um conoide, inserido num retângulo de 23 x 34 metros, apoiado no mastro central e em sete vértices. A segunda é uma sela inserida num retângulo de 28 x 35 metros, com seis vértices e com apoio no mastro central e em dois masteretes na entrada.

As duas formas compostas resultaram num conjunto interessante, com sistema de saída de ar entre as duas membranas. Entretanto, essa composição exigiu um grande estudo de busca de forma, bem como análises específicas do equilíbrio estrutural, segundo a engenheira Rita Bose, da Tecno Staff Engenharia e Estruturas, empresa responsável pelo projeto e execução da cobertura.

CÁLCULOS E MONTAGEM
O projeto foi inicialmente validado pelo estudo detalhado do protótipo confeccionado em escala 1:10, o que comprovou a viabilidade e eficácia do sistema. Com a forma da membrana definida, os cálculos estruturais foram desenvolvidos, considerando-se o carregamento devido a retesamento e ação do vento (lateral e longitudinal) de acordo com a NBR 6.123/99.

Os cálculos ocorreram da seguinte forma: para o máximo valor de tração da membrana, da ordem de 20 kN/m, foi especificada a membrana alemã importada da Mehler tipo II, com tensão nominal de 4.200 N/50 mm.

A escolha dessa membrana também se pautou pelas exigências deste tipo de projeto: garantia de dez anos e propriedades fungicidas, antioxidantes, bloqueio contra raios UV e autoextinguível. As partes metálicas, com os esforços resultantes da membrana, foram feitas nas condições de equilíbrio. No caso do mastro central, foi necessária a análise do esforço de flexão a que ele ficou submetido, em face do apoio da sela um pouco abaixo do apoio do conoide. Atenuou-se o mesmo através da introdução de estais no sentido oposto para contrabalançar.

“Os valores das solicitações resultantes observadas foram de 480 kN para a compressão do mastro, sendo que o momento fletor é da ordem de 60 kN/m. Ambos os valores devidos à ação do vento lateral”, explica a engenheira Rita Bose. Os resultados da análise de estabilidade revelaram que o máximo deslocamento da membrana é da ordem de um metro devido à ação do vento longitudinal.

A interface entre a membrana e a estrutura metálica foi feita pelos cabos de aço para resistir a esforços de 190 kN para as bordas e 280 kN para os estais. Os mesmos foram acoplados aos sistemas de tensionamento, especialmente estudados para o caso. Foram utilizadas terminações dos cabos em soquetes abertos e esticadores.

A montagem da estrutura foi executada em apenas cinco dias, sendo os dois primeiros utilizados para a conferência das medidas das bases e encaixe das peças de tensionamento. O terceiro dia foi usado para o trabalho de içamento, com o auxílio de dois guindastes de lanças longas. O quarto e o quinto dias foram dedicados a tensionar os vértices, trabalho feito com o cuidado de monitorar as tensões de retesamento, obtidas em projeto, através de macacos hidráulicos.

Texto de Redação| Publicada originalmente em Finestra na Edição 56
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora