Tecnologia internacional

Projeto integra novos conceitos em Vancouver

Instalado em uma área de construções antigas, no centro de Vancouver, 
Canadá, o Telus Garden é hoje um dos empreendimentos mais avançados destinado aos negócios, comércio, emprego e residência, integrando tecnologias de comunicação, inovações ambientais e estilos de trabalho de vanguarda

A proposta do projeto Telus Garden teve origem na ideia da empresa canadense de telecomunicações Telus em criar uma nova sede nacional, no centro de Vancouver, onde a tecnologia de ponta, a vida urbana, o desenvolvimento sustentável e novos estilos de trabalho pudessem se encontrar e promover um novo modo de vida para a comunidade. Em parceria com o Westbank, a empresa contratou o escritório Henriquez Partners Architects para o desenvolvimento do projeto que inclui uma torre corporativa de 22 andares (o primeiro edifício no Canadá a receber a certificação Leed Platinum) e um prédio residencial de 47 andares projetado para obter o selo Leed Gold.

A ideia era implantar, no centro da cidade, um local onde o comércio, o emprego e a moradia se integrassem. Um dos recursos da equipe de arquitetos para atender essa solicitação foi criar um átrio, na torre de escritórios, que ganhou a função de uma praça de encontro da comunidade, mantendo atividades durante o dia e também à noite, como um ponto de programas públicos e uma via de circulação entre os setores financeiro e cultural.

“Nosso objetivo era projetar um prédio de escritórios para inspirar seus ocupantes, animar as atividades de rua e estabelecer um novo padrão para o projeto sustentável de locais de trabalho na América do Norte”, diz Gregory Henriquez, sócio-gerente da Henriquez Partners Architects. A característica mais marcante desse conjunto arquitetônico é exatamente o átrio, um pavilhão com fachadas de vidro de quase 100 metros de comprimento, integrado à praça pública por uma icônica cobertura de vidro.

Com estrutura de madeira laminada originária da província da Colúmbia Britânica, onde está localizada Vancouver, essa grande cobertura ondulada protege a praça pública e divide o átrio da torre de escritórios. Sua altura, no ponto mais elevado do arco, foi projetada para permitir que veículos de emergência possam circular por uma pista local sem dificuldades. Segundo os autores do projeto “o pavilhão simula a beleza natural do caminhar por uma floresta da Colúmbia Britânica, sob a luz difusa de um dossel de folhas, enquanto as costelas antropomórficas da estrutura de madeira ecoam formas indígenas da Costa Oeste canadense, culturas que têm na madeira um material precioso”. Ao longo do eixo do teto abobadado da cobertura, o efeito é de uma densa onda tectônica de madeira, que expressa força e proteção, em conjunto com a cobertura de vidro impresso que transmite a sensação de permeabilidade. Como o arco se aproxima do solo em cada uma das extremidades, as estruturas de madeira produzem também forte impacto visual.

Outra estética dominante é a legibilidade das características ambientais do edifício. A matriz de painéis fotovoltaicos, que gera energia suficiente para atender às necessidades de iluminação, está visível no telhado da torre corporativa. Os painéis solares estão dispostos conforme a orientação solar e integrados com o projeto das fachadas de vidro.

O conjunto arquitetônico tem cerca de 900 metros quadrados de telhados verdes, onde foram plantados produtos orgânicos acessíveis aos ocupantes dos edifícios e também fornecidos para restaurantes locais, além de áreas com terraços, árvores e jardins. Com isso o empreendimento, que abriga 424 unidades residenciais, estabelece novos padrões para a sustentabilidade ambiental.

"Sabíamos desde o início que o Telus era um projeto especial, que deu o tom para o futuro sustentável e para projetos multiúso em nossa cidade. Isso só foi possível com a liderança visionária do CEO da Telus, Darren Entwistle, e do CEO da Westbank, Ian Gillespie, que pavimentou o caminho para um projeto inovador e estabeleceu metas atraentes em tecnologia e sustentabilidade”, diz Gregory Henriquez.

Essas tecnologias tornaram o Telus Garden Office um dos empreendimentos mais verdes da cidade. A fachada da torre de escritórios tem vidros triplos com radiadores de água em seu perímetro, que amplificam o aquecimento e resfriamento, utilizando pequenos ventiladores, sem energia extra, para manter uma temperatura estável nas janelas. Um sistema integrado conecta sensores de luz no exterior para persianas e luzes internas que podem ser controladas a partir de um smartphone. Outras características verdes incluem janelas operáveis ​​para o ar fresco.

O conforto térmico máximo é alcançado com as tubulações de água de aquecimento e arrefecimento, ao nível do teto, em conjunto com o ar distribuído através de um piso elevado. Apesar de a cidade ser considerada como de clima ameno para o país, Vancouver chega a registrar zero grau no inverno. Daí a necessidade de fachadas que também colaborem com o aquecimento do ambiente.

O Telus Garden também está equipado com sistema de energia chamado de distrital, em que o calor excedente é automaticamente transferido de um prédio para outro, conforme necessário, através de equipamentos localizados abaixo do lobby da Office Tower. Também faz parte do projeto a coleta e uso de água da chuva e utilização de materiais de origem local, como a madeira laminada, e materiais reciclados. Com obra concluída em 2015 (o projeto foi iniciado em 2012), o Telus Garden foi um dos vencedores do Prêmio Architizer A + de 2016.



Texto de Cida Paiva| Publicada originalmente em Finestra na Edição 102
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora