Boldarini Arquitetos Associados: Residencial Leo Comissari e urbanização Jardim Silvina Audi, São Bernardo do Campo, SP

Escadas e moradias elevam patamar de dignidade

Sinais de uma urbanização com base técnica como lotes e quadras demarcados, além de construções precárias em áreas com riscos de deslizamentos e a principal rua de acesso ao bairro - a Padre Leo Comissari - com desníveis entre pistas, no meio das quais passam adutora e oleoduto. Esses são exemplos das situações com as quais o escritório Boldarini Arquitetos Associados se deparou ao desenvolver os projetos de urbanização do Jardim Silvina Audi, em São Bernardo do Campo

Natural de Ímola, na Itália, o padre Leo Comissari viveu no Brasil por duas décadas - em 1998, foi assassinado em São Bernardo do Campo, cidade da grande São Paulo. Naquele ano, ele exercia suas atividades religiosas e sociais na Paróquia Jesus de Nazaré, em vila São José, bairro vizinho ao Jardim Silvina Audi, na zona sul da cidade.

A memória do padre se perpetuou na rua que tem o seu nome – uma das principais vias de acesso ao bairro –, cujo traçado é, em parte, paralelo ao da rodovia Anchieta, que liga a capital paulista ao litoral sul do estado. O ponto onde o padre foi morto adquiriu um sentido simbólico, sobretudo para aqueles que residem há mais tempo no bairro e conviveram com Comissari.

Com a recente urbanização do Jardim Silvina Audi e a previsão da retificação do traçado da rua - entre as suas duas pistas passam uma adutora da Sabesp e um oleoduto da Transpetro –, o local do crime, que se configurou com um memorial informal, poderia ser afetado. Uma negociação entre a prefeitura, membros da comunidade, construtora e o escritório de arquitetura levou à alteração do traçado retificador de forma que o local fosse preservado.

Foi junto a esse ponto que o escritório Boldarini Arquitetos Associados desenhou uma micropraça que reafirma a importância do padre e o significado de manter a memória de um dos influentes moradores da comunidade. É assim – da soma de pequenos espaços públicos e da qualificação de caminhos (vielas) já estabelecidos – que se fez a urbanização do Silvina Audi, cujo projeto teve início em 2012 e as obras de implantação se mantém ativas, mesmo após a mudança da gestão municipal. Neste, dois conjuntos habitacionais (os residenciais Duarte Murtinho e Leo Comissari) comparecem como elementos de maior visibilidade do ponto de vista da arquitetura.

O arquiteto Marcos Boldarini conta que seu envolvimento com a urbanização do bairro - que fica na região sul do município, defronte da rodovia Anchieta e próximo de áreas de manancial - começou em 2010, quando o escritório foi contratado para desenvolver o projeto. Realizado em conjunto com as equipes da Secretaria Municipal de Habitação e a empresa responsável pela implantação das obras, o diagnóstico constatou que a área da intervenção apresentava características distintas: ao mesmo tempo em que certas partes exibiam sinais de um traçado urbano de base técnica, outras eram assentamentos precários.

Foi o levantamento minucioso que firmou na equipe responsável pelo projeto o pensamento de que, para serem bem sucedidas, as propostas teriam, por exemplo, de manter caminhos já consolidados, porém qualificando-os. Isso foi feito recorrendo, sobretudo, a dezenas de escadarias/vielas (há aclives consideráveis entre a cota mais baixa do bairro e sua parte superior), que estabelecem as conexões das moradias com as ruas do bairro.

Outra diretriz seguida foi a de reduzir o número de remoções de moradores - em algumas áreas, onde os riscos eram muitos altos (como na rua Washington Luís), elas ocorreram. Boldarini informa que um dos principais desafios apresentados para a intervenção eram as grandes declividades, presentes em boa parte do bairro (algumas em situações de risco iminente), acrescendo a elas a questão da drenagem.

“O projeto adotou como princípio construir uma amarração com o entorno e com o viário”, explica. “Foi um trabalho que procurou fazer uma costura, tendo como ponto de partida que o local é parte da cidade constituída, com algumas redes de infraestrutura, vias pavimentadas e uma estrutura de comércio e serviços que atendia ao bairro”, ele completa.

Do ponto de vista de infraestrutura viária, o ponto de maior impacto é o reconhecimento da Padre Leo Comissari como a rua mais importante do bairro e sua consequente qualificação – é através dela que se dá a conexão com a via que leva ao centro da cidade, distante cerca de 6 quilômetros. É nessa via também que foi recentemente concluída parte do segundo conjunto residencial projetado pelo escritório e que integra o projeto de reurbanização, o Leo Comissar.

O residencial é composto por 72 unidades - o térreo do conjunto é destinado ao comércio, fazendo com que a construção funcione como uma espécie de centralidade. Próximo dali fica o residencial Duarte Murtinho, com 120 unidades. Ambos conjuntos possuem desenhos e expressividade que representam exceção na arquitetura de habitações de interesse social. Uma série de habitações unifamiliares (de duas tipologias) também foi projetada e construída em lotes que estavam desocupados, ou originários de remoções.

 

Boldarini e Arquitetos Associados

Marcos Boldarini (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Brás Cubas, 1998) e Lucas Nobre (Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista - FAAC/Unesp, 2009) são os titulares do escritório Boldarini Arquitetos Associados que, há mais de 15 anos, atua no desenvolvimento de projetos de urbanismo, desenho urbano, urbanização em assentamentos precários, habitação de interesse social, espaços e equipamentos públicos.



Ficha Técnica

Residencial Leo Comissari e urbanização Jardim Silvina Audi Local São Bernardo do Campo (SP)
Ano do projeto 2013
Conclusão da obra (parcial) 2016 (Residencial Duarte Murtinho) e 2018 (Residencial Leo Comissari)
Área do projeto de urbanização 332.211,59 m²
Área construída (Leo Comissari) 3.799,60 m² (total dos 4 blocos já construídos)
Arquitetura Marcos Boldarini e Arquitetos Associados - Marcos Boldarini, Lucas Nobre e Angelo Filardo (autores); Alexandre Vergara, Jhonny Rezende, Juliana Junko, Paula Ferndr e Renato Bonfim (equipe)
Realização Secretaria de Habitação da Prefeitura do Município de São Bernardo do Campo
Construção Planova Planejamento e Construções
Contenções e terraplenagem Geobrax Engenharia e GBX Engenharia
Fundação Geobrax Engenharia
Estrutura Somatec Engenharia
Elétrica DMA Engenharia
Hidráulica Hproj Engenharia
Comunicação visual e sinalização Ps.2 Arquitetura + Design
Fotos Leonardo Finotti

Texto de Adilson Melendez| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 4461
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora