Gui Mattos: Edifício de escritórios Módulo Bruxelas, São Paulo

Partido estrutural e materiais sob medida

Inaugurado em novembro passado, em São Paulo, o Módulo Bruxelas é um edifício de escritórios feito sob medida para Perdizes, bairro da zona oeste da cidade, e para tantos outros onde persiste a morfologia de lotes unifamiliares, pontuada por torres residenciais e construções esparsas de comércio e serviços. Sua arquitetura reflete o enfrentamento da topografia íngreme e das condições impostas pelo terreno comprido e com geometria irregular, de lotes remembrados. A tarefa foi desempenhada com sensibilidade pelo arquiteto Gui Mattos.

Fichas técnicas
Fornecedores
Plantas, cortes e fachadas

A passarela atravessa toda a parte posterior do lote, reconfigurando o contexto de interior doméstico
A passarela atravessa toda a parte posterior do lote, reconfigurando o contexto de interior doméstico
Partido estrutural e materiais sob medida
Inaugurado em novembro passado, em São Paulo, o Módulo Bruxelas é um edifício de escritórios feito sob medida para Perdizes, bairro da zona oeste da cidade, e para tantos outros onde persiste a morfologia de lotes unifamiliares, pontuada por torres residenciais e construções esparsas de comércio e serviços. Sua arquitetura reflete o enfrentamento da topografia íngreme e das condições impostas pelo terreno comprido e com geometria irregular, de lotes remembrados. A tarefa foi desempenhada com sensibilidade pelo arquiteto Gui Mattos.

A arquitetura residencial segue o corpo principal de atuação de Gui Mattos, extensão natural da experiência da sua segunda faculdade: a década vivida no litoral norte paulistano, quando, recém-formado em Santos, projetou e acompanhou a construção de casas de madeira.

A conformação espacial passo a passo, com a progressão dos trabalhos na madeira dando origem à estrutura e delimitando a edificação, e a posterior significação dos ambientes, com o aporte dos materiais, iluminação e ventilação naturais, foram lições memoráveis.

E o arquiteto as mantém válidas nos seus projetos, já bem mais variados atualmente em termos de escala, tipologia e programa. Um tanto de partido estrutural e de personalidade no uso dos materiais, assim, são a matriz do Módulo Bruxelas.

A passarela, em duplo balanço longitudinal, é fixada ao bloco da escada através de uma presilha metálica
A passarela, em duplo balanço longitudinal, é fixada ao bloco da escada através de uma presilha metálica
A passarela se projeta em balanço sobre o terraço dos escritórios, destacando-se a exposição dos elementos estruturais
A passarela se projeta em balanço sobre o terraço dos escritórios, destacando-se a exposição dos elementos estruturais

Mesmo que a prerrogativa de aproveitar o comprimento do lote tanto quanto possível tenha, desde o início, orientado a implantação em dois blocos, na frente e nos fundos do terreno.

O primeiro tem volumetria regular, com dois andares de escritórios elevados, térreo aberto e subsolos para garagem e mais três unidades comerciais, do total de 11. O nível de acesso coincide com a cota elevada da rua lindeira, em aclive, de modo a enfatizar a suspensão do bloco frontal.

Inicialmente idealizado como uma caixa de madeira, ele evoluiu para o fechamento em dupla camada, de vidro e cobogós brancos, associada à austeridade da estrutura aparente de concreto. E o Módulo Bruxelas, então, ganhou cores.

A mais evidente intervenção nesse sentido é o trabalho artístico de Lúcia Koch nos painéis móveis de vidro da esplanada de entrada e nas superfícies retroiluminadas dos halls dos escritórios.

Mas há ainda a padronização do core hidráulico e de circulação em roxo e, sobretudo, o onipresente amarelo intenso que adorna o longo percurso entre os escritórios das duas alas.

São de vidro e laminado melamínico amarelo os fechamentos laterais da passarela metálica que atravessa a porção posterior do terreno, ligando as diversas unidades comerciais a partir da cota do primeiro subsolo.

Ela materializa a intenção de tornar igualmente atraentes todas as zonas do empreendimento, impressionando sua extensão - 40 metros, contra os dez metros de largura nesse trecho do terreno -, a composição estrutural espiralada e a padronização dos materiais.

Os dois andares superiores de escritórios conformam volume regular, envolvido pela dupla fachada de vidro e cobogós
Os dois andares superiores de escritórios conformam volume regular, envolvido pela dupla fachada de vidro e cobogós
A esplanada de entrada tem os elementos recorrentes em toda a edificação: piso cimentício, laje nervurada de concreto, instalações aparentes, caixilhos pretos e deque de madeira
A esplanada de entrada tem os elementos recorrentes em toda a edificação: piso cimentício, laje nervurada de concreto, instalações aparentes, caixilhos pretos e deque de madeira
Instalações e caixilhos tiveram paginação sintonizada com a modulação estrutural
Instalações e caixilhos tiveram paginação sintonizada com a modulação estrutural

Transversais ao comprimento, ripas estreitas conformam o chão e o teto - entremeado por aberturas zenitais triangulares -, enquanto as diagonais laterais tornam visualmente dinâmico o longo percurso por esse equipamento.

Um contexto, enfim, demarcado pelos elementos estruturais aparentes (com destaque para o parrudo pilar que sustenta a passarela em uma das suas extremidades), que coloca em segundo plano perceptivo a vizinhanca doméstica do entorno, na sua desinteressante condição de fundos de lote.

O edifício a que a passarela dá acesso não chega a se configurar como um volume evidente, tal é a condição de construção em declive, contida na pouca largura (dez metros) e em par com tetos verdes, varandas e vazios que demarcam cones visuais para terraços privativos.

São eles que uniformizam as dependências corporativas em suas mais variadas posições de implantação, dando a unidade do empreendimento.


Texto de Evelise Grunow
Publicada originalmente em PROJETODESIGN
Edição 394 Dezembro de 2012

Gui Mattos Gui Mattos formou-se pela FAU/ Santos em 1986. Titular do escritório que leva seu nome, ele é autor de projetos residenciais, comerciais, institucionais e de serviços
Na extremidade frontal, a passarela está apoiada sobre um robusto pilar de concreto
Na extremidade frontal, a passarela está apoiada sobre um robusto pilar de concreto
Entre os terraços da cobertura frontal, o core de circulação e serviços é revestido com pastilha na cor roxa
Entre os terraços da cobertura frontal, o core de circulação e serviços é revestido com pastilha na cor roxa
Os escritórios, como este do terceiro subsolo, foram posicionados em torno de vazios que permitem a confortável iluminação e ventilação naturais
Os escritórios, como este do terceiro subsolo, foram posicionados em torno de vazios que permitem a confortável iluminação e ventilação naturais
Vista de um dos escritórios frontais, com varanda à esquerda e fachada de cobogó. A confortável iluminação natural não traz prejuízo à privacidade do espaço de trabalho
Os escritórios do segundo pavimento, no bloco frontal, contam com acesso para a cobertura avarandada. Todas as escadas e gradis são pretos, como as esquadrias
Os escritórios do segundo pavimento, no bloco frontal, contam com acesso para a cobertura avarandada. Todas as escadas e gradis são pretos, como as esquadrias
Voltados ao interior do lote, os cobogós da fachada posterior têm modulação diferente, entremeados por janelas quadradas
Painéis melamínicos em intenso amarelo, vidro e ripas conformam os fechamentos da passarela
Painéis melamínicos em intenso amarelo, vidro e ripas conformam os fechamentos da passarela
Sob a passarela, e dispersos pelo lote, vazios dão lugar a jardins e varandas, qualificando os espaços de estar e circulação
Sob a passarela, e dispersos pelo lote, vazios dão
lugar a jardins e varandas, qualificando os espaços
de estar e circulação
Os escritórios rebaixados têm acesso pela escada dos fundos do bloco de entrada, ou pela passarela metálica. Ela é o prolongamento do piso do canto inferior da foto
Os escritórios rebaixados têm acesso pela escada dos fundos do bloco de entrada, ou pela passarela metálica. Ela é o prolongamento do piso do canto inferior da foto
Com lirismo e humor, a artista Lúcia Koch criou o colorido dos painéis de vidro que dão vista para o miolo do bairro
Com lirismo e humor, a artista Lúcia Koch criou o colorido dos painéis de vidro que dão vista para o miolo do bairro

Texto de Evelise Grunow| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 394

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora