Nave Arquitetos: Clubes municipais, São Paulo

Tipologias se ajustam a espaços de dimensões reduzidas

Plantas, cortes e fachadas
Tipologias se ajustam a espaços de dimensões reduzidas
Espalhados por diversas regiões da cidade de São Paulo, existem 26 clubes municipais , que, em sua maioria, dispõem de piscinas, quadras poliesportivas e, em algumas unidades, campos de futebol e ginásios cobertos. Construídos durante a década de 1960 , boa parte deles nunca teve manutenção adequada. A oportunidade para reabilitar esses conjuntos foi criada recentemente, com o lançamento
do programa São Paulo É uma Escola, da prefeitura paulistana. Os clubes foram transferidos da Secretaria de Esportes para a da Educação, que pretende integrá-los funcionalmente (e, em alguns casos, fisicamente) às escolas situadas nas imediações.
Os dez clubes para os quais o escritório Nave Arquitetos desenvolveu projetos têm em comum a localização próxima da área central da capital e, de acordo com Roberto Fialho, a implantação em terrenos com pequenas áreas edificáveis. De maneira geral, onde havia porção maior de lote, os autores propuseram edificações de um só pavimento, intercomunicáveis e articuladas por um prédio central. Os clubes do Tatuapé, Mooca, Vila Manchester, Vila Maria/Thomaz Mazzoni e Alto da Lapa pertencem a essa série. Para outros quatro - Cambuci, Casa Verde, Ipiranga e Santana -, com pouco espaço, optaram por edifícios verticais modulados em 6 x 6 metros, que podem ter dois ou mais pavimentos, de acordo com as necessidades. “São construções simples, que podem ser executadas tanto em préfabricados de concreto como em estrutura metálica”, informa Fialho.
Na unidade de Vila Guilherme, a décima da série, os arquitetos recomendaram a demolição de um prédio municipal e a construção , em seu lugar, de uma piscina , equipamento de que o clube não dispunha. Outro edifício imediatamente vizinho, também de propriedade da prefeitura, será restaurado para abrigar o telecentro, o auditório e a sala de múltiplo uso.
Além do projeto das novas edificações, o escritório fez o diagnóstico de cada conjunto, para definir as obras de recuperação e suas prioridades.

Texto resumido a partir de reportagem
Publicada originalmente em PROJETO DESIGN
Edição 315 Maio de 2006

Texto de | Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 315

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora